Verdades e desabafos

Há um dia em que é o dia. E hoje apetece-me mandar tudo cá para fora. Ando cansada. Esgotada mesmo. Quando tentam abusar e gozar com uma pessoa, não dá. Não dá. Aquela coisa que disse que fiz há tempos, foi meter a carta de despedimento. Posso dizer que até ao fim daquilo me parece uma eternidade. Explorarem pessoas, ao ponto de quererem que trabalhem ali horas sem comer e sem poder descansar um bocado para ir à wc, chegar a um ponto em que já não aguento mais e me apetece mandar certas pessoas para um sítio. Não é o trabalho em si, é outra coisa. Andar a trabalhar o dia todo, querem que fique sem folgar, que dê o litro etc. Eu disse basta. Ando farta disto há meses. Não posso dar cabo da minha saúde para ganhar uma miséria, é que nem vivo, sobrevivo. Passar os fins de semana a trabalhar, sem poder ter tempo para estar com amigos e família. Tive de pensar no que é melhor para mim. Se vocês soubessem o que se passa muitas vezes em certos locais de trabalho, que ainda existe escravatura nos dias de hoje, que há pessoas que não prestam para nada, mesquinhas, aproveitadoras, cínicas, com sorrisinhos e quando querem algo é vê-las todas queridas. A mim não me enganam. Posso ter cara de menina mas não sou burra nenhuma. Há alturas em que temos de tomar decisões. E da maneira como tenho andado não dá. Ando sem descansar, sempre a ficar doente e com alergias, já não bastam os problemas que tenho, não tenho tempo para nada, ando estafada, com vontade de não por lá os pés nunca mais. É assim que ando. O que é que eu quero para mim? Ter uma vida melhor. É que andar 3 anos na mesma caca (que é para não dizer asneiras) e não aprender nada, ter de ser escrava, ganhar uma miséria, não dá. Eu para o ano quero ir estudar. E ainda não tenho em vista trabalho, para dizer a verdade até preciso dumas férias e de descansar a minha cabeça. Muitas pessoas me tentaram demover, "ah e tal não te despeças, sempre é algum, e depois não arranjas outro". Quem sabe o que é melhor para mim sou eu, não os de fora. Chegar ao ponto de vir para casa a chorar, de ter ataques de ansiedade e mal estar, de vomitar quando lá estou é dose. Ficar dois meses desempregada não me assusta. Quando tomei a decisão fiquei mais aliviada, agora é esperar para finalmente poder sair. Como se costuma dizer "Só sabe o que se passa no Convento quem está lá dentro". É preciso tomar acção, fazer algo. Hei-de arranjar trabalho, mas não na mesma coisa. Eu sou capaz de muito mais. Sei que sou forte. Tenho aguentado tanta coisa na vida. Mas este ano é mesmo um ano de mudanças. Interior e exterior. A pessoa que era, insegura, que dizia sim a tudo mudou. Estou mais egoísta é verdade, mas não ao ponto de não saber analisar as coisas. Egoísta ao ponto de tomar atitudes se quero uma vida melhor. Atitude de mandar as coisas à fava que já não aguento mais. Isto precisava de sair. A vida não é só rosas, há muitos espinhos pela frente. Muitas coisas que nos metem para baixo, outras que nos dão força para lutar por mais, por nós. Obrigada a quem leu isto. É preciso paciência, não sou uma pessoa fácil. 

Share:

2 comentários

  1. Não te censuro e muito sinceramente acho que fizeste muito bem. Não sou apologista de que devemos ficar só porque "não vamos arranjar outro trabalho", vais sim, claro que sim!

    Mereces melhor e principalmente encontrar alguma coisa que te realize! Força!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  2. Realmente se assim é só nós sabemos o que passamos e o que sentimos.
    Se foi o melhor para ti,óptimo!
    Agora é descansar, restabelecer força e partir para outra!

    ResponderEliminar